sábado, 9 de outubro de 2010

O guia das falácias, Stephen Downes

O objetivo de um argumento é expor as razões que sustentam uma conclusão. Um argumento é falacioso quando parece que as razões apresentadas sustentam a conclusão, mas na realidade não sustentam. Da mesma maneira que há padrões típicos, largamente usados, de argumentação correta, também há padrões típicos de argumento falacioso. A tradição lógica e filosófica procurou inventariar e batizar essas falácias típicas e este guia pretende listá-las.

O Guia das Falácias, de Stephen Downes, é um documento muito interessante que pode nos ajudar a identificar as falácias em discussões. (Muito útil em épocas de eleições)

Das falácias da dispersão


Cada uma destas falácias caracteriza-se pelo uso ilegítimo de um operador proposicional, uso que desvia a atenção do auditório da falsidade de uma certa proposição.

Falso dilema

É dado um limitado número de opções (na maioria dos casos apenas duas), quando de fato há mais. O falso dilema é um uso ilegítimo do operador "ou". Pôr as questões ou opiniões em termos de "ou sim ou sopas" gera, com freqüência (mas nem sempre), esta falácia.

Exemplos:

Ou concorda comigo ou não. (Porque se pode concordar parcialmente.)
Reduz-te ao silêncio ou aceita o país que temos. (Porque uma pessoa tem o direito de denunciar o que bem entender.)
Ou vota no Silva ou será a desgraça nacional. (Porque os outros candidatos podem não ser assim tão maus.)
Uma pessoa ou é boa ou é má. (Porque todas as pessoas não são apenas boas ou más.)

Prova: Identifique as opções dadas e mostre (de preferência com um exemplo) que há pelo menos uma opção adicional.

Ou você lê o meu blog ou você é um idiota! Humpf..

2 comentários:

  1. Haha! eu leio! peguei o arquivo... fiquei curiosa! beijo!

    ResponderExcluir
  2. e as falésias do Algarve... Estou com saudades de você. Beijos

    Erica

    ResponderExcluir